Whey Protein Engorda? 

Por Nutricionista Hugo Comparotto da  Atlhetica Nutrition.
Essa dúvida faz parte da vida de muitas pessoas que iniciam atividade física e são aconselhadas a usar algum tipo de suplemento. Não temos uma única resposta, mas trago o que temos na literatura.
O Whey protein é uma proteína oriunda do soro do leite no processo da fabricação do queijo, podendo ser concentrado (apresentando 80 a 90% de proteína e o restante de carboidratos e gorduras), isolado (95% de proteína isolada, em algumas filtragens chegando a zero de carboidratos e gorduras) e hidrolisado (proteínas isoladas, sem carboidratos e gorduras e pré digeridas, facilitando assim a digestão e a absorção). Uma das vantagens do whey protein, além da rápida digestão e sua composição ser pequena ou nula em carboidratos e gorduras, é o seu maior valor biológico (VB 110 a 120) que é a quantidade de aminoácidos essenciais (que nosso organismo não produz), comparado com a de outras fontes proteicas, como a do frango (VB 79), do peixe (VB 83), carne vermelha (VB 80), ovos de (VB 88 á 100) e laticínios, como o leite e o queijo que chegam a (VB 80). Por essa razão, é utilizado normalmente logo após treino, momento em que o organismo está ávido por uma maior quantidade de nutrientes para se recuperar do estresse causado pelo exercício físico.

É importante salientar que nenhum alimento “engorda” ou “emagrece”, isso não existe. O que existe são alimentos com aspectos nutricionais distintos, que estão relacionados a fatores que podem ser favoráveis ou desfavoráveis à perda ou ao ganho de peso. Além disso, a quantidade do alimento em questão, como e quando ele é utilizado, bem como o contexto total da dieta, são fatores relevantes a serem considerados para essa análise, o que inclui o Whey Protein.
O que “engorda”é a ingestão excessiva de calorias, ou seja, fornecer quantidades calóricas superiores ao que nosso organismo necessita,. No final isso é estocado como fonte de gordura, independente da fonte alimentar ingerida. Porém, nosso organismo funciona através de ADAPTAÇÕES e elas não são matemáticas, mas sim resultantes de estímulos e ações favoráveis, de acordo com questões genéticas, ambientais e fisiológicas. É habitual recebermos pacientes que consomem uma quantidade moderada de alimentos poucas vezes ao dia, fazendo apenas café da manha, almoço e jantar, já com uma grande quantidade de gordura visceral, peso excessivo, cansaço, vontade extrema de ingerir alimentos adocicados ou ricos em carboidratos simples, o que significa que seus organismos já estão adaptados a gastar menos e acumular mais.
A ingestão calórica pode não ser a única questão relevante em alguns casos, mas também a qualidade dos alimentos ingeridos e a maneira em que são inseridos dentro do plano alimentar do paciente.
Quanto ao Whey Protein, deve ser analisada a necessidade e a finalidade da suplementação dentro do contexto de cada paciente, que envolve parâmetros relacionados ao treinamento (tipo, volume, intensidade, frequência, tempo de duração) e a dieta. É necessário avaliar se a dieta está adequada à demanda metabólica daquele indivíduo. A suplementação deve ser inserida para suprir essas demandas ou de modo estratégico para facilitar ou permitir a elaboração de determinadas refeições com diferentes escolhas alimentares, de forma a beneficiar o paciente. É muito comum as pessoas utilizarem muito mais suplementos do que realmente necessitam, pelo fato de não estarem alinhados da maneira adequada com a dieta e a demanda de treino daquele indivíduo. Tal prática, além de gerar gastos desnecessários, pode resultar em efeitos negativos, como o acúmulo de gordura corporal. O Whey Protein não “engorda”, mas sim a sua utilização excessiva e de modo inapropriado, bem como qualquer outro alimento.

Alguns benefícios relacionados ao Whey Protein:
Aumenta a sensibilidade da insulina em nossas células, auxiliando assim no bom controle do açúcar na corrente sanguínea, no apetite, na vontade de comer doces e no processo de queima de gordura.
O perfil de aminoácidos do whey pode contribuir para a produção de glutationa, um antioxidante que combate radicais livres, formados pelo estresse ou pelas adaptações à atividade física.
Também está relacionado à geração de estímulos anabólicos para a construção de massa muscular, já que possui um perfil de aminoácidos adequado, principalmente rico no aminoácido leucina, que está intimamente ligado a processos e vias metabólicas associados à síntese proteica.
Em indivíduos obesos, foi verificado que o whey por estimular a produção de hormônios relacionados à saciedade, auxiliando ainda no controle do apetite.
Conciliar o Whey Protein em uma rotina alimentar de boa qualidade, individualizada e com a prática de atividades físicas, pode trazer todos esses benefícios favoráveis ao processo de emagrecimento. E, claro, todos esses efeitos ocorrerão com eficiência se todos os outros nutrientes (carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas, minerais e água) estiverem equalizados e balanceados.
Não esqueça de sempre analisar o produto, avaliar sua procedência, marca, presença de conservantes, aromatizantes e adoçantes, e não exagere no consumo.
E então, o WHEY ENGORDA?

Beijocas estaladas,

Nívea 😘💋

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s